10 Maratonas rolantes em contacto com a Natureza

Atletismo em contacto com a Natureza

Maratona. Estrada. Natureza. Juntar estas três palavras é cada vez mais complicado. Sobretudo porque continuamos a destruir e a apunhalar esta última, mesmo sabendo que isso também vai dar cabo de nós ou retirar-nos a pouca humanidade que ainda nos resta.

Sensibilizado e triste por este dilema em torno da mãe que todos partilhamos, foi durante uma etapa da presente edição da Volta a Espanha em bicicleta (La Vuelta) que tive um sentimento diferente. Inveja! Dos meus irmãos ciclistas. Ao mesmo tempo que me deliciava com as paisagens oferecidas pelos responsáveis da transmissão da prova, invejava aqueles meus irmãos que atravessam locais tão belos e, ao mesmo tempo, contavam com aquilo que eu mais agradeço na maratona: a presença de grande público.

Esta inveja podia ter-se transformado em muita coisa. Porém, foi o meu lado de investigador, incentivado pelo meu espírito de maratonista, quem se antecipou e tomou conta dela. Numa tentativa de homenagear a nossa mãe e, ao mesmo tempo, tentar abrir os olhos de alguns ao mostrar tudo aquilo que ela nos proporciona, dei por mim a procurar maratonas “rolantes” e com pisos regulares que são decoradas por belos cenários naturais.

Os resultados finais deste trabalho ditaram a seguinte seleção de maratonas espalhadas por todo o mundo. Em alturas cujos nossos objetivos não passem por um recorde pessoal na distância, estes eventos, quer pela vertente natural quer pela parte  turística, podem ser muito tentadores.

 

Maratona Internacional da Patagónia (Chile)

A Patagonian International Marathon ocorre na província chilena de Última Esperanza, situada nos arredores do Parque Nacional Torres del Paine. Bem longe da capital da região, Punta Arenas, a prova, segundo o gráfico de elevação, tem como  maior dificuldade a travessia entre o Mirador Lago Toro e o Mirador Cuernos, algures entre os quilómetros 25 e 30 da prova.

 

 

Maratona de Jungfrau (Berna, Suiça)

Um amigo meu, que nem é ligado às corridas, já me tinha falado desta prova e mostrado o vídeo que partilho de seguida. Quando tive a ideia de construir este artigo, lembrei-me logo de a procurar. A prova é sempre a subir, tornando-se verdadeiramente exigente na segunda metade. Porém, a travessia que nos leva acima dos 2000 metros de altitude em plenos Alpes suíços é revigorante. Obrigado Quim pela dica!

 

 

Maratona Internacional do Monte Fuji (Japão)

Uma travessia completa em torno do Lago Kawaguchi e do Lago Saiko com o Monte Fuji sempre presente para embelezar a paisagem. Sem grandes elevações em todo o percurso, estão reunidas todas as condições para apreciarmos este belo lugar com a máxima intensidade durante a Fujisan Marathon.

 

 

Maratona da Baía do Monte de São Miguel (Normandia, França)

De nome original Marathon de la Baie du Mont Saint-Michel, esta baía deve ser mesmo gigante. Caso contrário, seria impossível no local da partida avistar-se a meta (lá ao fundo …) quando a prova se realiza num só sentido da estrada que contorna este sítio mágico. Pelo menos, assim apregoa a realização do evento e o percurso reforça essa indicação.

Embora o vídeo de apresentação seguinte mostre alguns momentos de aventura fora da estrada, depreende-se que os mesmos digam respeito às provas de trail que se realizam no mesmo fim de semana.

 

 

Maratona do Kilimanjaro (Tanzânia)

Uma viagem até ao norte da Tanzânia para correr nas sombras do Monte Quilimanjaro. Não se preocupem, não vão ter que o escalar. De facto, pelas indicações fornecidas, o percurso é maioritariamente plano, sendo o verde da natureza que rodeia as estradas asfaltadas e rugosas do município de Moshi o verdadeiro motivo de encanto. O que quer que façam nesta maratona, lembrem-se que estão sob o olhar atento do ponto mais alto de África.

 

 

Maratona do Sol da Meia-Noite (Tromso, Noruega)

O nome da prova faz jus ao fenómeno que coloca a cidade norueguesa de Tromso no lote restrito de locais onde é possível apreciar a aurora boreal. Em pleno Círculo Polar Ártico, o percurso da Midnight Sun Marathon presenteia-nos com um pouco de tudo.

 

 

Maratona Internacional de Big Sur (Califórnia, E.U.A.)

A Big Sur International Marathon é a escolha certa para quem preferir o calor da Califórnia ao frio da Noruega presente na sugestão anterior. O gelo dá lugar aos banhos que esta zona costeira recebe do Oceano Pacífico, mas com um bónus: o percurso está longe de ser plano.

 

 

Maratona do Loch Ness (Inverness, Escócia)

Com paisagens incríveis em redor de todo o percurso junto ao Lago Ness, este pode ser o derradeiro incentivo para qualquer atleta curioso viajar até à Escócia e descobrir se o monstro do Loch Ness existe mesmo. Uma tarefa que exige vigilância constante no lago e nos abstrai do esforço. Mas não é a única! Como os organizadores da prova alertam, a região é propícia a mudanças drásticas de clima de um momento para o outro. Será do monstro?

 

 

Maratona de Petra (Deserto de Wadi Rum, Jordânia)

A natureza não se resume a paisagens verdes. O deserto é uma das suas caras mais sisudas e pode ser conhecida, por exemplo, na região arqueológica de Petra pertencente ao Wadi Rum, o deserto da Jordânia. Num percurso preenchido por troços de areia, gravilha e asfalto, a elevação e as altas temperaturas serão à partida as maiores dificuldades desta prova que tem Petra Desert Run como nome oficial.

 

 

Maratona dos ‘Big Five’ (Savana, África do Sul)

Por último, uma viagem até à Reserva Natural do Entabeni (que se pode traduzir em “Lugar da Montanha”), para uma  maratona em jeito de Safari. Num percurso muito seletivo, o que distingue esta prova das restantes é a proximidade entre os atletas e a vida selvagem da região. De facto, o nome “Big Five Marathon” é inspirado nisso mesmo. Isto é, nos animais da savana mais difíceis de serem caçados pelo homem: o leão, o elefante, o rinoceronte, o búfalo-africano e o leopardo. Mas não esquecer a presença das girafas, das zebras e companhia.

 

 

nv-author-image

Renato Sousa

Ligado ao desporto desde pequeno, deixei definitivamente o futebol em 2016 para me dedicar afincadamente ao atletismo. Desde aí que muita coisa mudou na minha vida, a qual não imagino sem o desporto. O Vida de Maratonista nasce então da minha paixão pelo atletismo, com contribuição especial da minha Licenciatura em Engenharia Informática, que me permitiu criar a solo este espaço de aventura e opinião, e torná-lo agradável a quem o visita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.