Laboratório de Análises de Dopagem de Lisboa reabre em 2020?!

Laboratório de Análises de Dopagem de Lisboa reabre em 2020

Esta 5ª feira, João Paulo Rebelo, secretário de Estado da Juventude e do Desporto, anunciou que o Laboratório de Análises de Dopagem de Lisboa voltará a ter acreditação da Agência Mundial Antidopagem (AMA) em 2020. Nomeadamente, no primeiro trimestre do próximo ano, se tudo correr como planeado.

Embora seja preciso aguardar pela oficialização do regresso da licença, que tinha sido suspensa em abril de 2016 e retirada ao laboratório de forma oficiosa em 2018, esta é uma excelente notícia para o atletismo português. Afinal de contas, convém lembrar que, por esta altura, as amostras recolhidas têm de ser analisadas no estrangeiro, ou seja, um “incentivo indireto” à despreocupação para com o controlo dos atletas.

João Paulo Rebelo tentou ainda, de alguma forma, desculpar o desinvestimento no laboratório com a crise dos últimos anos. Pessoalmente, não me parece grande justificação. Afinal de contas, em causa está a verdade desportiva e a perda do momento de glória de atletas que trabalharam uma vida e acabaram consagrados já fora de cena. O combate à “batota” terá de ser sempre uma prioridade.

No caso particular do atletismo, é evidente toda a credibilidade que tem perdido com os casos de doping que continuam a surgir com frequência. Por uma maior acreditação do espectador e um clima de menor suspeita entre os atletas, todos têm a ganhar com esforços como este.

Estas declarações do secretário de Estado da Juventude e do Desporto surgiram na cerimónia em que a ADOP (Autoridade Antidopagem de Portugal) e o COP (Comité Olímpico de Portugal) assinaram um protocolo a fim de unirem esforços na luta contra o doping. Estou convencido que a maioria dos casos resulta de um ato consciente dos atletas. No entanto, não deixo de parte que alguns possam ser resultado da falta de informação ou manipulação desses mesmos atletas, pelo que as  palavras proferidas pelo presidente da ADOP também me parecem muito ajustadas, de maneira que até me despeço com elas.

 

A educação, formação e informação são o caminho para a prevenção dos casos de doping.

 

Fontes: Público, TSF

Imagem de Capa: Arek Socha do Pixabay

 

nv-author-image

Renato Sousa

Ligado ao desporto desde pequeno, deixei definitivamente o futebol em 2016 para me dedicar afincadamente ao atletismo. Desde aí que muita coisa mudou na minha vida, a qual não imagino sem o desporto. O Vida de Maratonista nasce então da minha paixão pelo atletismo, com contribuição especial da minha Licenciatura em Engenharia Informática, que me permitiu criar a solo este espaço de aventura e opinião, e torná-lo agradável a quem o visita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.